O lobo de Gubbio

Tradição oral

Certa vez, Francisco de Assis estava em peregrinação e passou pela cidade de Gubbio, ao norte de Assis. Chegando lá, soube que a população daquela região estava em desespero porque, nas encostas dos penhascos, vivia um lobo feroz, já tinha devorado muitos animais e atacado pessoas.

O pânico havia se espalhado pela cidade e a população resolveu se unir para matar o lobo. Procuraram Francisco para pedir que ele rogasse a Deus a fim de que conseguissem exterminar o animal.

Francisco ouviu o povo com atenção e resolveu pedir que aguardassem, ele encontraria uma solução que fosse boa para todos.

Francisco foi até os penhascos e em oração entrou em meditação, então, ouviu uma voz que dizia:

– O lobo tem fome!

Abriu os olhos e o lobo estava à sua frente. O santo então falou:

– Irmão lobo! Que a paz seja contigo, seja feita a vontade de Deus e não a nossa! Eu sou de paz. Venho pedir-te em nome de Deus e de Jesus, que tenhas paciência, pois nada vai te faltar: água, comida e lugar seguro. Basta que tenhas um pouco de confiança nos homens, porque nem todos são violentos, muitos são bons e gostam de animais. Podes conviver em paz com eles e comer o mesmo que eles.

Neste momento o lobo deitou-se aos pés de Francisco, que colocou as mãos em sua cabeça e agradeceu a Deus pelo novo amigo.

– Vamos, meu irmão, vamos descer juntos para a aldeia, pois somos todos os filhos de Deus!

Francisco foi à frente e o animal o seguiu até Gubbio.

Ao chegarem ao vilarejo o povo ficou assombrado com o que via, principalmente por ver o lobo tão calmo e obediente a Francisco.

– Irmãos, este lobo não atacará ninguém, ele viverá em harmonia com vocês, mas para isso não poderá lhe faltar água e comida. Todos vocês serão responsáveis por cuidar dele e assim, ele não atacará mais.

O tempo passou e o lobo ficou amigo de todos, engordou e nunca mais atacou nenhum animal ou pessoa daquele lugar.

***

Clique aqui para ler a história Os três cães

3 comentários em “O lobo de Gubbio”

  1. Pingback: A lenda do Tarumã – Histórias que minha avó contava

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *