A Rainha da Neve – parte 6

História de Hans Christian Andersen

AS MULHERES DA FINLÂNDIA

Ao chegarem na Lapônia, o primeiro lugar em que Gerda e a rena pararam foi num casebre muito pobre, a porta era tão baixa que as pessoas tinham que se abaixar para conseguirem entrar. Na casa vivia uma mulher que estava fritando peixes em um fogão a lenha.

Gerda contou toda a sua história a ela, mas estava tão abatida pelo frio que mal podia falar.

– Ó, pobre criatura! Vocês possuem um longo caminho pela frente! Ainda precisam percorrer centenas de quilômetros até a Finmarken, a Rainha da Neve sempre visita aquela região nesta época do ano, ela queima fogos azuis todas as noites no céu.

A mulher escreveu algumas palavras em um peixe, pois não tinha papel para escrever e orientou os dois a encontrarem uma mulher em Finmarken que iria ajudá-los.

– Ela irá direcioná-las melhor do que eu – falou.

Depois que Gerda já estava aquecida, havia comido e bebido, a mulher lhe entregou o peixe e pediu que ela tomasse cuidado.

A mulher amarrou a menina à rena novamente e elas partiram.

Brilhando instáveis, as luzes do Norte se prolongaram a noite toda. Por fim, chegaram à Finmarken, na casa da mulher indicada.

Assim que chegaram, Gerda lhe entregou o peixe, elas entraram e, para surpresa da menina, a casa estava muito quentinha, tão quentinha que a mulher nem usava blusas.

A mulher leu o que estava escrito no peixe e começou a preparar o jantar. 

– Não podemos desperdiçar nada – falou a mulher, colocando o peixe na panela.

Novamente, Gerda contou sua história. A finlandesa piscou seus olhos sábios, mas não disse nada.

Depois, ela se dirigiu para uma estante e pegou um pedaço dobrado de pele, desenrolando-o. Havia símbolos estranhos escritos nele, e a mulher finlandesa os leu até gotas de suor pingarem de sua testa.

– Para derrotar a Rainha da Neve e resgatar o seu amigo, você deverá ter a força de doze homens – falou a mulher.

A criança olhou para ela com olhos muito pidões, cheios de lágrimas. A mulher começou a piscar novamente:

– O Pequeno Kay está certamente com a Rainha da Neve, e está encantado com tudo que há lá. Ele acha que é o melhor lugar do mundo, isso porque tem um fragmento do espelho de Hobgoblin em seu coração e um grão nos olhos. Eles precisam sair primeiro, ou ele nunca mais será humano e a Rainha da Neve irá mantê-lo sempre sob seu poder!

– Você pode me dar algo que ajude a vencê-la?

– Eu não posso te dar mais poder do que o que você já tem. Não vê como é grande? Não devemos subestimar o seu poder, está em seu coração, porque é uma criança inocente. Os jardins da Rainha começam daqui a apenas três quilômetros. Você deve ir até lá.

As três saíram do casebre e a mulher orientou a rena a deixar a menina nos portões e depois voltar.

A finlandesa colocou Gerda no lombo da rena, e elas partiram o mais rápido possível.

A rena a deixou nos portões do castelo, a menina a beijou enquanto lágrimas rolavam de seus olhos ao se despedirem.

Gerda correu o mais rápido que podia e, de repente, um regimento inteiro de flocos de neve veio em sua direção, eles não caíam do céu, pois estava bastante claro com as luzes do Norte brilhando forte.

Os flocos de neve corriam pelo chão e, quanto mais se aproximavam, maiores ficavam. Eles estavam vivos, eram a guarda de frente da Rainha da Neve e assumiam formas curiosas. Uns pareciam horrendos e grandes porcos-espinhos, outros eram semelhantes a cobras prontas a atacar.

A pequena Gerda começou a rezar a seu anjo como sua avó havia lhe ensinado. O frio era tão intenso que congelava sua respiração quando saía de sua boca, ela podia vê-la como uma nuvem de fumaça à sua frente.

A névoa ficou cada vez mais densa, até que se transformou em pequenos anjos brilhantes, que cresceram quando tocaram o chão. Todos usavam elmos, carregavam escudos e lanças nas mãos. Ao final de sua oração Gerda estava rodeada por uma legião inteira.

Eles furaram os flocos de neve com suas lanças e os estilhaçaram em centenas de pedaços. Assim a pequena Gerda pode caminhar destemida pelos guerreiros. Os anjos a tocaram até ela quase não sentir mais o frio. Então, a garota andou rapidamente em direção ao Palácio da Rainha da Neve.

Enquanto isso, lá dentro, Kay não fazia ideia de quem era Gerda, nem que havia uma menina que o amava e estava vindo para salvá-lo.

(esta história tem sete capítulos, o último capítulo será publicado amanhã)

***

Clique aqui para ler a história Rainha da Neve – parte 7

Clique aqui para ler a história A Rainha da Neve – parte 5

2 comentários em “A Rainha da Neve – parte 6”

  1. Pingback: A Rainha da Neve – parte 7 – Histórias que minha avó contava

  2. Pingback: A Rainha da Neve – parte 5 – Histórias que minha avó contava

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *