O Pirilampo

Lenda indígena

Há muito tempo, havia uma tribo no norte do Brasil, onde muitos curumins tinham poderes extraordinários. Esses poderes haviam sido cedidos por Tupã e serviam para curar diversos males, fossem eles do corpo, da mente ou do coração.

Um desses curumins era Lori, um especialista no combate da maldade e da escuridão.

Lori desenvolveu os seus poderes sempre praticando suas habilidades, enquanto seu corpo alcançava a maturidade.

Um dia, quando caçava com seus companheiros, acabou se perdendo do grupo.

Morã, a deusa do Mal, viu a oportunidade de acabar de vez com aquele índio que tinha poderes do Bem.

A deusa então envolveu a floresta em uma grande escuridão e Lori não enxergava nada à sua frente.

Para sua própria surpresa, de repente, seus olhos começaram a brilhar e iluminar tudo ao seu redor. Seus olhos brilharam tão forte que dissipou toda a escuridão, iluminando até mesmo Morã, que foi despojada de sua maldade e se transformou em uma bela índia.

Lori apaixonou-se imediatamente por ela, e ela por ele.

Tupã, que a tudo observava, entendeu que a ordem das coisas estava sendo alterada, o Bem e o Mal não poderiam ficar juntos, eles deveriam permanecer em combate permanentemente.

Então, Tupã desfez a magia de Lori e devolveu Morã para a escuridão.

Agora, tomado de amor pela deusa do Mal, Lori começou a sofrer e definhar. Seu tamanho começou a diminuir e sua aparência a se transformar. Por fim, ele se tornou um minúsculo inseto que brilhava no escuro, justamente para ficar junto de sua amada, que fugia dele.

Por isso, dizem os indígenas, o pirilampo (vagalume) aparece nos cantos mais escuros da floresta.

***

Clique aqui para ler a história Rainha da Neve – parte 7

1 comentário em “O Pirilampo”

  1. Pingback: O caçador de focas e o Sereiano – Histórias que minha avó contava

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *