A Floresta de Dooros – parte 2

História de Edmund Leamy

A fama da árvore mágica se espalhou muito rápido, e todos os dias chegava um aventureiro para tentar levar embora alguns dos frutos. Mas o gigante, como prometeu, estava sempre alerta, e nem um dia se passava sem que ele lutasse e matasse um invasor ousado.

Próximo dali, na terra dos homens, um rei cruel governava. Ele era um usurpador, havia assassinado o verdadeiro rei e muitos de seus leais súditos. Todos o odiavam, mas também o temiam.

O rei legítimo tinha dois filhos, um rapaz, chamado Niall, que foi deportado para terras estrangeiras e uma moça chamada Rosaleen que, por ordem do rei, havia sido enfeitiçada e se transformado no ser mais feio e repugnante. Ela vivia escondida em um celeiro, perto do castelo e era alimentada pelos servos do rei. Sua prisão era a sua aparência, já que ela não saía por medo da reação das pessoas à sua feiura.

Um dia, Rosaleen estava muito triste, chorando pela solidão e por tudo que lhe tinha acontecido, quando um pequeno pássaro Pintarroxo pousou à sua frente para pegar as migalhas do pão que ela havia comido. Ele era tão dócil que subiu em sua mão para comer mais. Rosaleen se sentiu feliz porque havia um ser que não a rejeitava e nem sentia repulsa por sua aparência.

Desde esse dia, o pequeno Pintarroxo a visitava todos os dias, ele cantava para ela e sua solidão não doía tanto quanto antes. Ela conversava com ele e contava todas as suas infelicidades.

Um dia, quando a moça chorava, o pássaro apareceu e pousou no seu ombro para consolá-la. O que Rosaleen não podia imaginar era que esse pequenino poderia fazer muito por ela.

Ele sabia tudo sobre a frutinha mágica da Floresta de Dooros que era guardada pelo gigante.

O Pintarroxo procurou seu primo Robin que morava na floresta e pediu a sua ajuda.

– Você quer um pouco dos frutos mágicos, imagino – disse Robin.

– Quero!

– Ah, as coisas estão bem difíceis agora. O gigante ranzinza guarda a arvorezinha dia e noite. Só há uma chance possível, mas pode custar a sua vida.

– Então, me diga o que é, pois eu daria cem vidas por Rosaleen — disse o pintarroxo.

– Bem, todos os dias, aparece algum guerreiro para lutar com o gigante, quando ele estiver lutando será o momento de roubar uma frutinha, mas se ele perceber você estará morto.

– Vou correr o risco — disse o pintarroxo de Rosaleen.

– Muito bem!

Os dois voaram até à Floresta de Dooros e pararam em um galho próximo da arvorezinha mágica. Neste momento o gigante estava sentado comendo os frutinhos vermelhos. Pouco tempo depois apareceu um guerreiro para desafiá-lo. O gigante ficou em pé e começou a atacar o invasor.

O pintarroxo pousou em uma árvore atrás do gigante, observando e esperando sua chance.

Por fim, o gigante, com um golpe muito forte, derrubou o guerreiro, enquanto o Pintarroxo partia na direção da árvore como um raio e conseguiu pegar um dos frutos. Então, o mais rápido que pode voou em direção ao celeiro onde Rosaleen estava escondida.

No caminho passou por uma tropa de guerreiros em cavalos brancos como neve. Todos os cavaleiros usavam capacetes prateados e mantos brilhantes de seda verde, presos por broches de ouro vermelho, exceto um deles, que parecia ser o líder, seguia a frente e usava um capacete dourado.

Quando o pintarroxo chegou ao celeiro, a princesa estava sentada do lado de fora, lamentando o seu destino. O pequeno pousou em seu ombro e colocou o fruto em seus lábios. O gosto era tão delicioso que a moça o comeu imediatamente. Assim, o feitiço da bruxa foi quebrado e ela voltou a ser bela novamente, assim como era antes.

Rosaleen ficou tão feliz que resolveu ir até o castelo que há tanto tempo ela não via. Quando estava em frente aos portões, os guerreiros nos cavalos brancos como neve se aproximaram, o líder, com capacete dourado, saltou do cavalo e se ajoelhou à sua frente, dizendo:

– Mais linda de todas as moças, certamente a senhorita é a princesa deste reino, apesar de estar fora dos portões do palácio, sem uma corte, sem roupas da realeza. Sou o Príncipe dos Vales Ensolarados.

– Sou filha de um rei, sim, mas não do rei usurpador que agora governa.

Dizendo isso, ela correu, deixando o príncipe se perguntando quem ela podia ser. Ele, então, mandou os tocadores de trombeta avisarem sobre sua presença do lado de fora do palácio, e em poucos instantes, o rei e todos os nobres foram cumprimentá-lo e aos seus guerreiros, dar a eles as boas-vindas.

Naquela noite, um grande banquete foi organizado no salão, e o Príncipe dos Vales Ensolarados se sentou ao lado do rei, e ao lado do príncipe sentou-se a filha do rei.

Durante o banquete, o príncipe falou de modo educado com a adorável moça, mas, durante todo o tempo, só pensava na bela desconhecida que tinha visto do lado de fora do palácio, e seu coração desejava vê-la de novo.

Quando o banquete terminou, o rei perguntou ao príncipe o que o levava àquelas paragens.

– Venho à procura de uma noiva, pois me foi dito, em minha terra, que apenas aqui eu encontraria a moça que está destinada a dividir comigo o meu trono, o seu reino é famoso por ser o local onde moram as moças mais adoráveis do mundo todo, eu acredito muito nisso depois do que vi hoje.

Quando a filha do rei ouviu isso, ela abaixou a cabeça e corou como uma rosa, pensando que o príncipe se referia apenas a ela, pois não sabia que ele tinha visto Rosaleen e sabia o quanto a verdadeira princesa era linda, depois da recuperação de sua beleza.

Antes que outra palavra pudesse ser dita todos ouviram um grande barulho na entrada do palácio. O rei e seus convidados se levantaram, os soldados empunharam suas espadas e começaram a ouvir vozes de gritos que se aproximavam.

Então entrou no salão um guerreiro e todos o reconheceram como o filho do verdadeiro rei que havia sido assassinado.

– Voltei para assumir o trono de meu pai! — disse  Niall!

– Vida longa à Niall! — responderam todos.

O rei, pálido de ira e surpresa, virou-se para os líderes e nobres de sua corte e gritou:

– Não há nenhum homem leal o suficiente para mandar embora esse invasor de nosso banquete?

Mas, ninguém se mexeu, nenhuma resposta foi dada. Então, o rei avançou sozinho, mas antes que pudesse chegar ao ponto em que Niall estava de pé, foi segurado por uma dezena de homens e desarmado de uma só vez.

Neste momento Rosaleen entrou no salão e todos ficaram encantados e felizes por ela estar livre do feitiço. Niall a reconheceu e eles se abraçaram e choraram por novamente se reencontrarem.

O usurpador foi preso junto com sua família e Niall contou a todos as suas aventuras. Quando o Príncipe do Vale Ensolarado viu Rosaleen foi ao seu encontro e pediu a Niall que concedesse a sua irmã em casamento.

Em sua felicidade, ela não se esqueceu do pequeno Pintarroxo que foi seu amigo na tristeza. Ela o levou para casa consigo, em Vales Ensolarados, e todos os dias o alimentava com suas mãos. E todos os dias ele cantava as músicas mais doces que já tinham sido ouvidas por uma princesa.

***

Clique aqui para ler a história A Floresta de Dooros – parte 1

3 comentários em “A Floresta de Dooros – parte 2”

  1. Pingback: A Floresta de Dooros – parte 1 – Histórias que minha avó contava

  2. Pingback: A árvore florida – Histórias que minha avó contava

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *