Sidarta e o cisne

História budista

Sidarta era o filho de um grande rei.

Certa vez, quando ele era pequeno, um mestre muito sábio disse que o menino seria um grande rei, porém, um dia abandonaria tudo para ajudar as pessoas.

O Rei, preocupado com a previsão do sábio, contratou os melhores professores da época para serem tutores do seu filho, também ordenou que seus servos sempre o seguissem de longe.

Sidarta gostava muito dos animais e um dia encontrou na beira de um lago um cisne ferido por uma flecha.

Enquanto enrolava o animal em suas roupas para levá-lo ao palácio a fim de salvar a sua vida, o primo de Sidarta, Devadatta apareceu e disse que tinha abatido a ave e, portanto, a ave pertencia a ele.

Sidarta se recusou a entregar o animal e os dois começaram uma discussão que por pouco não se tornou violenta, quando um dos servos do rei que seguia o menino interveio e levou os dois ao palácio.

Chegando lá, cada um dos meninos contou ao rei a sua versão dos fatos e apresentaram seus argumentos para a posse do cisne.

Então o rei pensou e falou:

– O cisne deve ficar com quer o seu bem e não com quem quer ver a sua morte.

Sidarta cuidou do animalzinho que sobreviveu e pode voltar para sua vida com os outros cisnes.

Esse menino, filho de um rei, cresceu, realmente abandonou tudo e se tornou um ser iluminado a quem chamamos de Buda.

***

Ajude esse site a se manter no ar

Clique aqui para ler a história Saci-pererê

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.